Churrasqueira do Marquês (Ajuda, Lisboa)

Não sei se é a primeira vez, mas se não for também não anda muito longe, que faço uma publicação sem uma única fotografia. Para o caso não importa muito, porque o lugar de bem comer em questão é tudo menos fotogénico.

Trata-se de um restaurante pelo qual tenho um carinho especial, até porque, em conjunto com a Marisqueira O Palácio, em Alcântara, deve ser o espaço onde já comi mais vezes na minha vida. São muitos anos a visitar o Marquês e sempre com a mesma consistência, mesmo depois da remodelação a que foi alvo em  2010 (mais coisa menos coisa). Costumo dizer, meio a sério meio a brincar, que se trata do melhor frango assado de Lisboa. Apesar de ser daqueles lugares tão familiares nunca me lembro de escrever sobre ele.

Agora não vão lá cheios de expectativas, à procura da última coca-cola do deserto. É de casa humilde que se trata, vulgarmente chamada de tasco. Tasco e não tasca, porque esta última transporta-nos o imaginário recente para guardanapos de pano e copos de pé alto, reflectidos obviamente, muitas vezes sem sentido, no preço a pagar.

No Marquês come-se sempre bem. Boa comida a preços em conta. O forte está na grelha, mas há (muito) mais vida para além desta. O referido frango assado, acompanhado por boas batatas fritas e salada é incontornável. O bitoque é outra referência, a fugir ao tradicional devido ao delicioso molho da casa. E depois temos a panóplia de pratos do dia, que nos podem fazer chegar à mesa uma consistente feijoada ou as tradicionais, na época, sardinhas assadas . O sucesso mede-se pelas vezes que a sala enche e torna e encher, principalmente durante o período de almoço. Contem com muito barulho, mas também com um serviço da “velha guarda”, que tem eficiência no nome do meio e mesmo com a casa no lodo nunca nos deixa muito tempo à espera do pedido, nem se engana naquelas coisas tão básicas como “mal passado”, bica cheia” ou “água com gás fresca”. Parece fácil mas não é, como bem sabemos. Ao jantar a coisa acalma e na sala do fundo, longe da azáfama do grelhador (take away fortíssimo), já é possível fazer uma refeição mais tranquila.

Quanto ao vinho (porque falo sempre nele) não se entusiasmem. Há da casa e aquela lista “chapa 5” de engarrafados. Se apetecer muito vão pelos brancos, ao menos não vêm quentes.

E pronto, não há muito mais a dizer deste Marquês. Comida caseira, modesta mas verdadeira, bem confeccionada, a ser sempre uma referência a ter em conta aquando pela monumental zona de Belém. Para mim, um clássico que nunca perco de vista. Seja a dois ou a dez, com os amigos estrangeiros que estão na cidade ou com aquele grupo de colegas de trabalho. Todo o terreno.

 

Churrasqueira do Marquês
Calçada Ajuda 184, 1300-017 Lisboa
Tel: 213 636 284
Não fecha
Preço médio: entre 7,50 e 10€

Tags

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *