Encontro com o Vinho e Sabores 2011

Tintos com personalidade. O Reserva a cerca de 12€ é uma boa compra.

O Reserva 2008, que estava envergonhado por detrás dos seus primos, encheu-me as medidas. Alentejano de respeito. Vinho para durar.

Belos tintos da Casa Cadaval, o que já não é novidade.

Touriga Nacional Challenge no stand da Quinta da Murta e da Casa Ermelinda Freitas. A mesma casta e vinhos tão distintos.

Enochatos, uma praga a erradicar 🙂

Belos brancos de Bucelas.

Gosto da DFJ, gosto do José Neiva Correia, e gostei deste Consensus.

Bical de Campolargo. Tão bom, tão diferente, pena o preço. (Afinal alertaram-me que estava a ver mal o filme, e o preço não era o que eu pensava. Por cerca de 9€ considero-o uma boa compra).

Syrah do Douro

Um branco da região dos verdes com 11 anos. Quero mais. Não tenho foto, mas da Casa de Cello também gostei muito dos tintos. O Vegia a um preço abaixo dos 5€ é uma excelente compra.

A noite terminou entre amigos, a confortar os estômagos que a tarde tinha sido dura. Boa disposição e muita conversa, na companhia (entre outros) deste Quinta da Murta, cortesia do Hugo Mendes.

Todos os anos digo que para o ano não vou ao sábado, o dia de maior enchente do Encontro com o Vinho, mas a verdade é que por uma razão ou por outra acabo sempre por lá ir parar nesse dia. Mas também é verdade que nunca me arrependo, se bem que o ano passado admiti que estava um abuso de gente, e que de facto isso prejudicou as provas que queria fazer. Este ano não achei, apesar de estar muita gente, a olho nu pareceu-me estar menos que o ano passado, e andou-se sempre bem, tirando os stands dos produtores mais mediáticos, que estão sempre à pinha, mas esses, tirando uma ou outra novidade que possam apresentar nesta ocasião, e que vou ter oportunidade de provar mais tarde ou mais cedo, já conheço os seus vinhos e por isso essencialmente esta mostra para mim serve para descobrir, e redescobrir,  produtores com que habitualmente não me cruzo com os seus vinhos com facilidade. A verdade é que sábado acaba por ser o dia em que se reúnem o maior numero de pessoas que conheço e isso acaba por pesar, pois já sei que para além dos excelentes vinhos que há para provar, a boa disposição é garantida.
Esta edição, a 12º em que a Revista de Vinhos organiza a maior mostra de vinhos em Portugal, teve um formato idêntico à do ano passado. O bilhete de acesso manteve-se nos 10€, e o copo de prova, um digno Schott, custava 2,5€. A RV anunciou nas suas paginas um desconto de 50% no bilhete para os seus leitores e assinantes, mas com uma simples busca na Internet verificava-se que o acesso a esse desconto não era assim tão exclusivo. Se fosse assinante tinha ficado aborrecido, claro que tinha.
Passando às provas. Como sempre nestas ocasiões, com tanta coisa para provar, e com tanta gente com que nos vamos cruzando, e parando para conversar, acaba-se sempre por provar muito menos do que aquilo que à partida se pensava, de qualquer das formas provei muita coisa, muita coisa boa, mas também muita coisa normal. Aliás, acho que 75% do vinho que hoje em dia é produzido em Portugal, principalmente o tinto, acaba por ser todo igual, ou muito parecido, seja do Douro ou do Alentejo. Cada vez são menos aqueles vinhos que se destacam, e que se afirmam, seja pelo terroir, seja pela vontade dos produtores em ter e fazer algo que os distinga. Esta é uma opinião de leigo. Dos que provei, destaco os que publico com fotos, por uma razão ou outra, foram vinhos que atraíram a minha atenção, e vinhos que os quero encontrar para comprar, para os puder provar com a calma e o acompanhamento que merecem.
De resto, a feira ainda serviu para conhecer pessoalmente algumas caras que já conhecia do mundo virtual, o que é sempre curioso e interessante, poder estar cara a cara com pessoas que passamos os dias a falar pelas redes sociais.
Termino o post com a lista de resultados dos vários concursos habitualmente promovidos em paralelo por ocasião deste evento. Para o ano há mais.
MELHOR CARTA DE VINHO
Quatro categorias em prova, mais de uma centena de cartas de vinhos de restaurantes de norte a sul do país, do continente às ilhas. Para as avaliar foi constituído um júri formando por Pedro Azevedo (da PrimeDrinks), João Paulo Martins (Revista de Vinhos e presidente do júri), João Geirinhas (Revista de Vinhos) e Fernando Melo (crítico gastronómico e colaborador da Revista de Vinhos), que, como se calcula, não teve tarefa fácil. Foram reuniões, debates, e uma análise cuidada, horas e horas a fio. Os jurados fizeram uma primeira selecção e, em data posterior, analisaram mais uma vez a pente fino os finalistas em cada categoria. No final, o vencedor absoluto foi o restaurante do Hotel Yeatman, em Gaia, cuja carta é orientada por Beatriz Machado. Destaque ainda para a carta de vinho a copo do Beef &Wines, do Funchal; para a melhor carta regional, que coube ao restaurante Cais da Villa, em Vila Real e para a carta com melhor relação qualidade/preço, onde o vencedor foi a Tasca do Joel, de Peniche.
Em cada categoria foi atribuído o 1º, 2º e 3º lugar, havendo ainda lugar a várias menções honrosas.
MELHOR CARTA DE VINHO A COPO
Beef & Wines Funchal
Casa Arouquesa Viseu
.Come Alcabideche
Menções Honrosas
Artemisia Porto
La Ricotta Porto
Quarenta e Quatro Matosinhos
Shis Porto
MELHOR CARTA REGIONAL
Cais da Villa Vila Real
Casa Arouquesa Viseu
DOC Folgosa do Douro
Menções Honrosas
Beef & Wines Funchal
Castas & Pratos Peso da Régua
Dom Joaquim Évora
Museu dos Presuntos – Porto
MELHOR CARTA RELAÇÃO QUALIDADE / PREÇO
Tasca do Joel Peniche
2º Taberna da Adélia – Nazaré
3º Casa Matos – Salreu, Estarreja
Menções Honrosas
.Come Alcabideche
Hemingway Cascais
Quo Vadis Matosinhos
Toca da Raposa Ervedosa do Douro
MELHOR CARTA DE VINHOS
Yeatman Vila Nova de Gaia
Romando Vila do Conde
Ex-Aequo: Ocean, Porches e Casa Arouquesa, Viseu
Menções Honrosas
Bocca Lisboa
DOP Porto
Les Faunes Funchal
Sem Dúvida – Lisboa
GRANDE PRÉMIO ESCOLHA DA IMPRENSA
 22 profissionais da comunicação escolheram, entre quase 200 vinhos, os que acharam melhores. A prova cega decorreu no hotel York House, em Lisboa.
Jornalistas, críticos de vinhos com obra publicada, bloggers; um conjunto de profissionais da comunicação social afinou, dia 25 de Outubro, terça-feira, o nariz e palato para avaliar quase 200 néctares, entre espumantes, brancos, tintos e fortificados. Estava ainda presente um rosé mas a sua pontuação não foi suficiente para permitir um prémio.
Os vinhos foram inscritos por produtores presentes no Encontro com o Vinho e Sabores, que se realizaria alguns dias depois no Centro de Congressos de Lisboa. Os premiados foram tradicionalmente um Grande Prémio Escolha da Imprensa, para o vinho mais pontuado em cada categoria, e os 9 seguintes néctares. Estes 9 ficaram, como é tradicional, com o prémio Escolha da Imprensa. Contudo, este ano aconteceu algo inédito: nos brancos e tintos, o 10º classificado estava rigorosamente empatado com o 11º. Para evitar injustiças, a organização decidiu assim atribuir a ambos o prémio Escolha da Imprensa. Neste sentido, a categoria de brancos e tintos tem o seu Grande Prémio e mais 10 vinhos com o prémio Escolha da Imprensa. Tal como em anos anteriores, a qualidade média das amostras foi muito elevada, algo que se reflectiu nas pontuações.
Mas vejamos quais os vinhos premiados, ordenados (salvo o Grande Prémio, claro), por ordem alfabética. No final poderá consultar a composição do júri.
Vencedores do Concurso Escolha da Imprensa
VINHO e PRODUTOR
Categoria Espumantes
Grande Prémio
Raposeira Blanc de Blancs Super Reserva 2006 (Caves da Raposeira)
Prémios Escolha da Imprensa
Aliança Bairrada Vintage 2007 (Aliança – Vinhos de Portugal)
Condessa de Santar Dão 2009 (Casa de Santar)
Ervideira Alentejo Reserva 2008 (Ervideira)
Murganheira Czar Grand Cuvée rosé 2005 (Soc. Agr. e Comercial do Varosa)
Murganheira Grande Res. Assemblage 1999 (Soc. Agr. e Comercial do Varosa)
Murganheira Pinot Blanc Extreme 2005 (Soc. Agr. e Comercial do Varosa)
Murganheira Vintage 2004 (Soc. Agr. e Comercial do Varosa)
Raposeira Velha Reserva 2002 (Caves da Raposeira)
Vértice Douro Cuvée Reserva 2008 (Caves Transmontanas)
Categoria Brancos
VINHO e PRODUTOR
Grande Prémio
Cova da Ursa Península de Setúbal Chardonnay 2010 (Bacalhôa)
Prémios Escolha da Imprensa
CARM Douro Reserva 2010 (CARM – Casa Agrícola Reboredo Madeira)
Casal de Santa Maria Reg. Lisboa Reserva 2010 (Adraga)
Malhadinha Regional Alentejano 2010 (Herdade da Malhadinha Nova)
Pêra Manca Alentejo 2009 (Fundação Eugénio de Almeida)
Quinta da Fonte do Ouro Dão Reserva 2010 (Soc. Agrí. Boas Quintas)
Quinta de La Rosa Douro 2010 (Quinta de La Rosa)
Quinta do Cardo Beira Interior Síria 2010 (Companhia das Quintas)
Quinta do Pinto Reg. Lisboa Limited Edition 2010 (Quinta do Pinto)
Rozés Douro Noble Late Harvest 2009 (Rozés)
Senses Alvarinho Regional Alentejano 2010 (Adega Coop. de Borba)
Categoria Tintos
Grande Prémio
Conde d´Ervideira Private Selection 2008 (Ervideira)
Prémios Escolha da Imprensa
Casa da Passarela Dão Reserva 2008 (O Abrigo da Passarela)
Monsaraz Millennium Alentejo 2010 (CARMIM–Coop. Agr. de Reguengos de Monsaraz)
Outeiro Regional Alentejano 2009 (Terras de Alter)
Quatro Caminhos Reserva 2009 (Casa Agrícola HMR)
Quinta da Costa das Aguaneiras Douro 2008 (Lavradores de Feitoria)
Quinta da Fronteira Douro Reserva 2009 (Companhia das Quintas)
Quinta das Marias Dão Touriga Nacional Res. 2009 (Peter V. Eckert)
Quinta do Espírito Santo Reg. Lisboa Reserva 2008 (Casa Santos Lima)
Vale do Tua Douro 2008 (Casa Agrellos)
Valle Pradinhos Reg. Transmontano 2007 (Maria A. Pinto de A. Mascarenhas)
Categoria Generosos
Grande Prémio
Quinta do Noval Porto Tawny 1986 (Quinta do Noval)
Prémios Escolha da Imprensa
Bacalhôa Moscatel de Setúbal Roxo 2000 (Bacalhôa)
Barros Porto Tawny 30 years old (Sogevinus Fine Wines)
Burmester Porto White 40 years old (Sogevinus Fine Wines)
Cálem Tawny colheita 1961 (Sogevinus Fine Wines)
Kopke Porto colheita 1951 (Sogevinus Fine Wines)
Quinta do Grifo Porto Vintage 2009 (Rozés)
Quinta do Noval Porto Vintage 2008 (Quinta do Noval)
Rozés Porto Menina White 10 anos (Rozés)
Vista Alegre White Medium Dry Porto 10 years Old (Vallegre)
Composição do Júri Escolha da Imprensa 2011
André Quiroga (free lancer)
Aníbal Coutinho (Critico de vinhos e autor de livros)
António Mendes Nunes (jornal i)
António Santos Mota (revista Escanção)
Edgardo Pacheco (Sábado)
Fernando Melo (Revista de Vinhos)
João Afonso (Revista de Vinhos)
João Barbosa (free lancer)
João Paulo Martins (Revista de Vinhos)
José Miguel Dentinho (Exame)
Luís Antunes (Revista de Vinhos)
Manuel Moreira (Critico em várias publicações)
Marco Moreira da Silva (Jornal de Vinhos)
Maria Helena Duarte (Wine Passion)
Maria João Almeida (mjalmeida.com)
Miguel Pires (blogger e cronista)
Nuno Oliveira Garcia (blogger)
Paulo Amado (Inter Magazine)
Paulo Salvador (TVI)
Pedro Gomes (blogger)
Rui Falcão (revista Wine e autor de livros)
Vicente Themudo de Castro (jornal Oje)
Nota – os resultados dos concursos, bem como os textos que os acompanham foram retirados do site da Revista de Vinhos.

4 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *