Feeling Grape – Oporto Wine and Food Atelier (Porto)

DSC_0035

DSC_0036

DSC_0037

DSC_0040

DSC_0042

DSC_0009

DSC_0013

DSC_0014

DSC_0015

DSC_0016

DSC_0017

DSC_0018

DSC_0019

DSC_0022

DSC_0025

DSC_0026

DSC_0029

DSC_0031

DSC_0032

20151106_164548

Começa a ser repetitivo falar de criatividade e irreverência para descrever os projectos ligados à Quinta do Pôpa, mas a verdade é que não é fácil encontrar outros adjectivos que definam tão bem aquilo em que colocam as mãos. O Feeling Grape é só mais um exemplo desta forma descomprometida e apaixonada (nada portuguesa) de estar na vida e por conseguinte no sector onde mantêm os seus negócios.

Um espaço multi-disciplinar, inserido num bonito edifício recuperado da cidade do Porto, onde podemos dar largas ao devaneio e usar aquele espaço para (quase) tudo o que a nossa imaginação permitir. Um jantar de amigos connosco a preparar o jantar? Podem. Um jantar de amigos mas com um chef a cozinhar para nós? Também podem. Uma prova de vinhos onde nós própios podemos levar os vinhos? Sim, claro. E isto são só três exemplos dos serviços disponibilizados por este inovador espaço da Rua da Alegria.

Além disso o Feeling Grape tem uma programação própria, com cursos, ateliers, provas de vinho, jantares vínicos, etc… O próximo jantar vínico será pela mão do Chef Leonardo Pereira (ex NOMA e Areias do Seixo) com os vinhos da Herdade do Arrepiado Velho e Quinta do Pôpa. Jantar esse que já se encontra esgotado, afinal não há assim tantas oportunidades de viver experiências tão intimistas onde o chef cozinha e partilha o seu conhecimento para um grupo restrito de pessoas.

Sendo os proprietários produtores de vinho no Douro, seria de esperar que os vinhos da Quinta do Pôpa assumissem um papel preponderante nas escolhas vínicas deste espaço, mas até nisso este Feeling Grape é diferente. É que os irmãos Stephane e Vanessa Ferreira fazem questão de ter vinhos de outros colegas produtores na oferta da casa e desta forma promover não só os seus mas o sector do vinho português como um todo. Que falta faz um espaço destes em Lisboa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *