Lançamento Damasceno Branco 2012 (Lisboa)

David Rego, director técnico e comercial da Vinhos Damasceno, na companhia do enólogo Nuno Cancela de Abreu., na apresentação do Damasceno Branco 2012.

O novo Damasceno Branco 2012.

A bonita e bem adornada sala do Sea Me, o restaurante que acolheu a apresentação.

A equipa de cozinha do Sea Me, com o Chef Filipe Rodrigues aos comandos.

Vieiras Coradas com Tártaro de Manga e Flor de Sal, o primeiro prato do menu de harmonização com os Vinhos Damasceno. Um suave travo picante, que não consegui descortinar de onde vinha, enriquecia o prato e fazia uma surpreendente ligação com o novo Damasceno Branco.

Ainda com o Damasceno Branco, o Pão de Deus com Tàrtaro de Salmão e Yuzu. O prato combinou bem com o vinho mas achei o pão demasiado doce para o conjunto e nem o tempero cítrico do yuzu deixou o salmão brilhar. 

Provavelmente o prato visualmente menos apelativo do almoço e definitivamente dos mais saborosos. A passagem para os tintos fez-se com a Salada Japonesa de Robalo e Kimche e foi das maiores supresas do menu. Sabores muito frescos, com um agradável travo picante, harmonizaram na perfeição com o Damasceno Tinto 2011. Muito bom.

Bombom de Atum e Mozarella.

Os Torresmos de Carapau com Guacamole, marcaram a entrada do Damasceno Reserva em cena. Estava bom, o travo a limão do “filete” era bom, mas o guacamole não aparecia e fica-se com a ideia que falta ali alguma coisa…

Muito bom, com direito ao estatuto de melhor prato da refeição, foi o Niguiri de Sardinha. Um prato muito bonito, com o tradicional sabor da sardinha assada a combinar muito bem com o arroz de sushi e com o Damasceno Reserva 2010. Uma combinação vencedora. Muito bom. 

O Polvo à Lagareiro foi prejudicado por ter sido o último prato e talvez se tenha mostrado um pouco pesado. Harmonizou muito bem com Damasceno Reserva 2008, mas no contexto do menu, pareceu um elemento solto e não uma continuação do mesmo. 

As Sobremesas. Leite Cozido com Sésamo, Crumble de Azeite e Flor de Sal e Doce de Tomate (na foto) e Requeijão com Doce de Abóbora e Amêndoas Torradas. Duas sobremesas leves que fecharam da melhor maneira o menu, de muito bom nível, escolhido para acompanhar os vinhos Damasceno. Namoraram com o último vinho da tarde, o Damasceno Moscatel Roxo 2008.
Não conheço os Vinhos Damasceno há muito tempo, confesso. No início do ano passado, numa prova cega onde as Senhoras ditavam as regras, tive a oportunidade de provar pela primeira vez dois tintos desta casa.  Perdidos no meio de um painel tão variado, que incluía também vinhos de segmentos superiores, acabaram por, nessa ocasião, não brilharem.
Apesar de ter passado pouco mais de um ano desde essa prova, muita coisa mudou no reino da jovem empresa Damasceno. Mexidas na estrutura e na equipa de enologia, que se manteve sob o comando do prestigiado enólogo Nuno Cancela de Abreu. O lançamento da nova marca Nocturno, com o cunho das vindimas à noite. E uma nova imagem, mais actual e apelativa, que pessoalmente gosto muito.
Durante este período fui provando as novidades da Damasceno e a minha ideia sobre os vinhos da marca tem vindo a mudar. De estilo moderno, a fazer lembrar em algumas referências o novo-mundo, os vinhos pareceram-me agora mais consistentes, francos e directos. Mais definidos naquilo que querem ser. Consensuais, na busca de chegar e agradar a todos.
O vinho mais recente deste produtor da região de Palmela é o Damasceno Branco 2012, que foi apresentado recentemente no (mui recomendável) Restaurante Sea Me, ali bem encostado à Praça Luís de Camões, centro nevrálgico da “movida” Lisboeta. Conduzida por David Rego, director técnico e comercial da empresa, a apresentação contou também com a presença de Nuno Cancela de Abreu, que nos falou do novo rebento.
Feito de Arinto, Fernão Pires e Chardonnay, com 3 meses de estágio em barrica de carvalho francês, este Damasceno Branco 2012, mostra-se tropical, com boa frescura, volumoso sem ser pesado, um vinho que não se importa nada de ter comida por perto. Teve excelente comportamento nos cruzamentos com a cozinha do Chef Filipe Rodrigues, mas já lá vamos a essa parte. Foram cheias 7000 garrafas e para estreia não podia estar melhor. Enquanto esperamos pelas novas colheitas fica a expectativa para ver como este 2012 evolui.
Como é habitual nestas ocasiões, houve também a oportunidade de percorrer outras referências do portefólio da casa, desta vez já sentados à mesa, em jeito de harmonização com o menu degustação preparado pela equipa de cozinha do Sea Me.
O menu apenas incluia pratos de peixe, o que é óbvio tendo em conta o lugar onde estávamos, e a maioria deles foram acompanhados por vinhos tintos, o que ao início poderia levantar algumas reservas, acabou por se confirmar uma experiência curiosa, acertada e estimulante.
Assim, depois do Damasceno Branco, o desfile seguiu com o Damasceno Tinto 2011, aromático, jovem, redondo, parece ter sido feito para acompanhar a Salada Japonesa de Robalo e Kimchee. Deram-se lindamente e foram dos melhores pairings da tarde. Mas o melhor namoro mesmo, foi o Damasceno Reserva 2010 que teve uma aventura tão bonita com o Niguiri de Sardinha Assada com Flor de Sal. Corpo, taninos e acidez, em grande harmonia com o característico sabor da sardinha assada. Muito bom.
De seguida, para o mais consistente Polvo à Lagareiro, chegou o peso pesado Damasceno (Kol de Carvalho) Reserva 2008, que também deu muito boa conta de si. Este vinho foi para mim uma boa surpresa, pois tinha sido dos que tinha passado despercebido na tal prova cega e que agora se mostrou muito mais entrosado, manteve toda a sua gulodice, mas todo o conjunto pareceu mais equilibrado. Talvez o polvo também tenha ajudado para esta apreciação, mas a garrafa fez-lhe bem.
Para terminar, em conjunto com as sobremesas, estas já sem peixe, brilhou outro rebento dos Vinhos Damasceno, o Damasceno Moscatel Roxo 2008, que vai chegar às prateleiras lá mais para o final do ano.
Para além da excelente harmonização entre os vinhos e a comida, esta prova permitiu perceber a evolução do trabalho feito com os Vinhos Damasceno, em particular a definição do perfil que se pretende para os vinhos. Pode-se dar por satisfeita a Península de Setúbal, por continuar a ter no seu berço, jovens e ambiciosos projectos que asseguram a continuação do selo de qualidade que a região tem vindo a granjear de há uns tempos a esta parte.
Uma última palavra para o restaurante que nos acolheu. O Sea Me já não é um novato em Lisboa, chegou com um conceito inovador, onde o peixe e o marisco são reis, e tem vindo a afirmar-se como uma das mais interessantes propostas da capital. Não é por isso de estranhar que, além da nossa mesa, o restaurante esteve sempre cheio, a um almoço de semana, o que em tempos tão conturbados como os que vivemos só pode ser um indicador muito positivo.
O menu preparado para esta apresentação foi de muito boa qualidade. Apesar de nem todos os pratos terem funcionado bem, o que é normal num menu de 9 pratos, a grande maioria mostrou-se em muito bom nível, com preparações simples e bem confeccionadas, com muitas inspirações asiáticas, algumas com mais exigência técnica, mas todas de excelente sabor. Depois do Hambúrguer de Salmão que encantou os visitantes do último Peixe em Lisboa, este menu demonstra que a cozinha do Sea Me e o seu Chef Filipe Rodrigues, estão a atravessar um óptimo momento.
A prova, que o bom serviço, a qualidade da comida e a localização, andam de mãos dadas com o sucesso. Recomenda-se vivamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *