Peixe em Lisboa 2011

Mais uma edição do Peixe em Lisboa, desta vez de regresso ao lindíssimo Pátio da Galé. Cheguei mesmo a horas de assistir à primeira apresentação da noite, com o Chef Vítor Matos, da Casa da Calçada em Amarante. Premiado com uma estrela no Guia Michelin, começou por contar-nos uma breve história de como nasceu o seu gosto pela cozinha e de um pequeno resumo da sua carreira.
Todos os pratos que apresentou vão fazer parte da nova carta da Casa da Calçada, que deverá ser apresentada daqui a mês. O primeiro, um amouse bouche, “Ouriço com Lavagante nas Rochas”. Um prato muito bonito, que ilustra a cozinha que faz de momento, “assente em produtos muito frescos, ervas aromáticas e flores”.
O segundo prato foi o “Carabineiro de Sagres ao Sabor do Brasil”. Molho de moqueca, raíz de salsifi, e um pó de carabineiro feito com a carne e os sucos do interior da cabeça.
Este é uma homenagem a Martin Berasategui, que juntamente com os irmãos Roca, são as suas maiores referências. “Salmonete com Creme de Crustáceos”. O salmonete leva uma crosta de panko e é cozinhado com azeite a ferver que vai sendo deitado por cima, até estar no ponto. Depois é complementado com um puré de batata doce, cogumelos enoki, espargos verdes e algas frescas. Um prato com sabores de mar e terra.
Para terminar a sua apresentação escolheu uma “Sardinha em Conserva com Sabores Frescos de Verão”. Gaspacho com manjericão, espuma de água de tomate (que foi extraída com uma técnica muito interessante), ovas de sardinha com hortelã e broa de milho salteada a dar o elemento crocante ao prato. Uma apresentação muito interessante que demonstrou a excelente técnica deste jovem Chef.
Depois de provar alguns vinhos expostos, entrei em modo degustação. Aqui na Fortaleza do Guincho, o Chef Vincent Farges e a sua equipa iam preparando os pratos da nossa felicidade.
Salmonete salteado e crumble de funcho
Raia salteada, vinagrete de aromáticos e legumes perfumados com cominhos. Talvez o melhor da noite. Os legumes al dente com o travo dos cominhos estavam magníficos.
A salada de bacalhau do Sol e Pesca. Simples, fresca, deliciosa. Bons produtos.
A zona de restaurantes no Pátio da Galé ficou a ganhar em comparação à do Pavilhão de Portugal. Maior, mais ampla e arejada, e com uma envolvente muito agradável.
A obrigatória visita ao UMAI…
…onde apanhei o Chef Paulo Morais literalmente com a mão no sushi.
Rolo especial com salmão e ovas. Uma delícia. Havia algo que lhe dava um toque doce (manga?), em contraste com os sabores do salmão e das ovas. Ao trincar, as pequenas ovas no interior iam estalando na boca criando uma sensação óptima. Muito bom.
No Eleven, o Chef Joachim Koerper, que estava muito bem disposto, preparou esta “Corvina com Risotto de Agrião com Wasabi”. O peixe passou um pouco o tempo de cozedura, mas era muito fresco, e juntamente com o delicioso risotto, este no ponto, criavam um prato muito agradável. O toque de wasabi dava-lhe um final perfeito. A espuma é que não descortinei. Gostei.
Entretanto no auditório, que esteve sempre bem composto, o luso-francês Serge Vieira detentor de uma estrela Michelin no restaurante com o seu nome, trazia aos presentes a filosofia da sua cozinha.
Encontro acidental com Carlos Maribona. Oportunidade para uma conversa curta mas bem disposta. Um senhor.
No espaço José Avillez, o inevitável Chef David Jesus comandava as operações. O Chef José Avillez andava pelo auditório, atento ao show cooking…
Torricado de sapateira e guacamole. Muito simples e muito bom. A pasta de sapateira era muito fresca, tinha poucos condimentos o que lhe conferia uma frescura e sabor a mar ainda maior. O crocante do pão, e o sabor característico do guacamole faziam o resto. Uma excelente entrada para um jantar caseiro.
As meninas da Ice Gourmet não trouxeram hortelã da ribeira e de castigo tiveram de pousar para a foto. Mas trouxeram um poejo e um vinho do porto que foi o final perfeito para tanta degustação.
Antes de ir embora, uma voltinha pelo mercado gourmet ,sempre muito concorrido.
Entre as muitas iguarias, estava esta mistura de chá preto, verde e frutos tropicais, soltava um aroma tão bom que não resisti a trazer uma caixa.
A nova Praça do Comércio traz um enquadramento perfeito ao evento, experimentem chegar quando o sol se está a por… Se esquecermos a varanda do Pavilhão de Portugal (como é possível?), e o auditório das apresentações, tudo o resto melhorou com o Pátio da Galé.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *