Peixe em Lisboa 2013

Começa a ser um saudável hábito este almoço de amigos no Peixe em Lisboa. Almoço de semana, para evitar enchentes e aproveitar o horário económico (o dobro das degustações pelo mesmo preço). É uma oportunidade de juntar à mesma mesa gente aficionada destas coisas da gastronomia e vinhos e puder-se provar e trocar opiniões sobre muitos dos pratos preparados pelos restaurantes para a ocasião.
Num dia, com menos gente ao almoço que em anos anteriores, brilharam as criações de um debutante…
Nuggets de Bacalhau com Maionese de Alho. Um dos pratos de José Avillez…
Outro. Bonito, este. A Cavala Braseada e o Gaspacho de Cerejas,
E mais um. Peixinhos da Horta com Lascas de Bacalhau…
Por último e para terminar o capítulo José Avillez, o Tártaro de Atum.
Hugo Nascimento à frente da cozinha de Vítor Sobral…
E que bom que estava, nem na foto apareceu…
Do Assinatura, o Atum com Puré de Ervilhas…
…e o Hamburguer de Espadarte com Camarão.
Sopa de Santola da Justa Nobre. Um clássico do Peixe em Lisboa.
Cogumelo Portobello, com Filete de Truta Fumada e Queijo da Ilha de São Jorge, do Can the Can, um dos estreantes.
Do G Spot, os Pirolitos de Lula com Maionese de Coentros…
e o Bacalhau com Migas de Sapateira.
Ostras, Abacaxi e Molho Dengaku (um molho, nesta versão, com miso, sake e açucar). Gostei bastante deste prato, apesar do travo doce do carpaccio de abacaxi e do molho se sobrepor um pouco à delicadeza da ostra, o resultado final era muito bom. Um prato bem conseguido.
Hamburguer de Choco e Salmão em Bolo do Caco de Alfarroba, unanimemente considerado o melhor da refeição.  Tirando aquelas irritantes algazinhas com travo doce que de repente apereceram por todo o lado (depois da cavala será este o novo fétiche da moda na restauração de Lisboa?), o prato estava absolutamente divinal. Nada pesado, com todos os elementos a fazerem sentido, tudo muito fresco, uma delícia. Muitos parabéns.
Umai
Mas o Peixe em Lisboa não é só restaurantes e apresentações de Chefs. Há muita coisa boa para descobrir no Mercado Gourmet… Talvez por isso merecesse mais público…
Tomaz Vieira da Cruz da Soc. Agr. Areias Gordas, aqui com o seu Colheita Tardia (o Terra de Larga de 99 do nosso contentamento também lá estava).
Teresa Barbosa, da Soc. Agr. João Barbosa, com a primeira aparição pública do seu novo Pinot Noir.
Outro clássico do Peixe em Lisboa, este no Mercado Gourmet.
A Quinta das Carrafouchas, trouxe ao Peixe os seus tintos de 2009 e 2010,  ainda sem lançamento no mercado. Um exemplo para outros produtores de maior dimensão que já mostravam os seus Reservas de 2012 (dois mil e doze, leram bem).
A Herdade do Esporão, também uma presença habitual no Peixe em Lisboa.
Este ano as apresentações dos Chefs passaram-me totalmente ao lado. Espreitei esta do Nuno Barros da 1300 Taberna, que estava com bastante público. Pareceu-me que estava a preparar um prato com… algas. Seria?
Fato de gala…
Um grupo de alunos da Escola de Hotelaria a terem uma improvisada aula prática com o enólogo Hugo Mendes da Quinta da Murta.
Palavras para quê? Do melhor que a nossa Terra produz…
Foi uma choradeira quando a Venda da Vila anunciou o fim do Paio Branco e do Paio de Alho que encantou tanta gente no ano passado. Não fosse este pornográfico exemplar do Cachaço atenuar a gula, quer-me parecer que era coisa para haver suicídos em massa…
É de Paris mas fica em Sintra, mais propriamente no Linhó. A Chez Jules traz-nos iguarias de França, com grande foco na charcutaria, que é produzida artesanalmente pelos próprios. Se ainda não conhecem , não sabem o que estão a perder. Assunto muito sério.
Há mais para descobrir, mas o foco da Terrius está nos cogumelos da Serra de São Mamede. Frescos, em conserva, ou desidratados, o difícil é escolher. Eu encantei-me por uns snacks de cogumelos, que descobri tarde demais terem um problema. Criam dependência.
A nova imagem dos Quinta da Murta.
Gente do Alto. Com o espírito reconfortado. (foto @CeliaPedroso )

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *