Peixe ó Balcão

DSC_0015

Depois do Sushic, nova incursão ao Mercado de Algés para dar conta de outra estreia na grande Lisboa. Desta vez do ribatejano Rodrigo Castelo com o seu Peixe ó Balcão.

DSC_0025

Sopa fria de marisco.

Rodrigo Castelo, depois de ter andado pela industria farmacêutica e não se ter dado bem com aqueles ares, achou que estava na hora de recuperar a paixão que tinha pela cozinha e daí a abrir o seu próprio espaço na sua Santarém natal foi um ápice. A Taberna ó Balcão nascia no final de 2013 e rapidamente se tornou numa referencia da restauração da cidade (excelente refeição que lá fiz recentemente, cujo relato aguarda vez na caixa de rascunhos).

DSC_0026

Picadinho de Fataça com puré de batata roxa doce.

A cozinha desta Taberna assenta num receituário tradicional revisitado com criatividade, a partir de produtos frescos e respeitando a sua sazonalidade. Uma formula agora transposta para este novo Peixe ó Balcão, que como o próprio nome indica tem no mar a sua inspiração. Das sopas aos pratos principais, passando pelas saladas e pelos petiscos, esta é uma carta que pretende trazer o Ribatejo à mesa dos lisboetas através de uma abordagem mais simples, mais à imagem do conceito food court.

DSC_0035

DSC_0039

Biqueirão

DSC_0042

DSC_0047

Torricado de Bacalhau

DSC_0048

Rodrigo Castelo e a carta do Peixe ó Balcão

DSC_0050

Camarão estaladiço com coli de manga e ananás.

DSC_0054

Prego de Atum no Caco.

DSC_0056

Arroz de Lingueirão.

Enquanto o sonho de abrir um restaurante na capital não se concretiza, Rodrigo Castelo vai, durante os próximos seis meses (para já o período definido para esta aventura), sentido o pulso à cidade através deste novo projecto no Mercado de Algés. No entanto a aproximação a Lisboa não se fica por aqui e já no mês que vem, entre 15 e 27 de Setembro, a Taberna ó Balcão aterra no restaurante Terraço, do Hotel Tivoli Lisboa, no âmbito do projecto “Portugal de Norte a Sul” de Fátima Moura, que consiste em trazer à capital alguns dos melhores representantes das cozinhas regionais que temos no nosso país. Para quem ainda não foi a Algés, nem a Santarém, aqui tem uma boa oportunidade para conhecer o trabalho deste jovem chef.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *