Rei dos Leitões (Mealhada, Bairrada)

O Encontro com o Vinho na Bairrada serviu também para conhecer melhor a gastronomia desta zona do país, que vai muito além do leitão assado. Um excelente exemplo de como um evento vínico pode ser um foco dinamizador de turismo e de divulgação da cultura e gastronomia de uma região.

1240186_10151902663006376_1867359538_n

Foto: Nuno Monteiro

IMG_20130913_222232

IMG_20130913_230132

Entre outros restaurantes visitados, o destaque vai para aquele que nos proporcionou a melhor refeição desse fim de semana, o Rei dos Leitões. A escolha por este restaurante não surgiu por acaso, a excelente carta de vinhos era uma referência e os dois amigos da Bairrada que tínhamos no grupo fizeram questão de nos levar lá.

Lugares para comer bom leitão na Bairrada não faltam, mas este Rei dos Leitões faz justiça ao nome e eleva a gastronomia da região a outro patamar. Porque esta não se resume ao jovem reco assado, este lugar oferece um conjunto de pratos onde podemos viajar pela riqueza gastronómica da Bairrada e conhecer a sua diversidade, peixe incluído.

Localizado na Mealhada, na mítica estrada nacional nº1, este Rei começa logo por se diferenciar da restante oferta, que na zona é muita, pelo seu edifício de aparência cuidada. Uma bonita e convidativa moradia de dois pisos, reabilitada em tons quentes de amarelo dão-nos as boas vindas e deixam-nos de imediato com vontade de entrar.

Lá dentro, após cruzarmos um pequeno hall, os expositores e as caves de vinhos captam-nos de imediato a atenção e dizem-nos que estamos no lugar certo. Afinal estamos na Bairrada, terra de bom vinho, é por isso natural que seja apresentado na restauração da região como um produto nobre.

Já sentados, ao fundo da grande sala de refeições, de onde se deixa ver todo o restaurante, começaram a chegar as iguarias à mesa. Primeiro, as azeitonas, a broa e o pão regional. Depois, os queijos de Azeitão e os salgadinhos, com as empadas de leitão a brilharem bem alto. Tudo, para começar, na companhia do Espumante Quinta da Mata Fidalga Reserva Pessoal. Avançamos com os Negalhos, um prato regional que não é muito conhecido, feito a partir de bucho e tripas de cabra e cozinhado em vinho tinto. Uma delícia e se este estava bom. Por esta hora já os Luís Pato Vinhas Velhas Branco adornavam a mesa. De seguida, uma maravilha da nossa gastronomia, o inevitável leitão assado. Este de assado reluzente, com a pele muito fina e estaladiça e a carne tenra e lascante, bem temperado, com aquele travo característico da pimenta, um pecado de babar. Para terminar, mas ainda antes da sobremesa, outro prato emblemático da região, a chanfana. A refeição, por esta altura, já era acompanhada por uns tintos velhos da Bairrada, retirados da incrível lista de vinhos deste Rei dos Leitões. Agora sim, finalmente os doces, com leite creme queimado à mesa, o Manjar Real e, para quem preferiu algo mais fresco, o sorvete de limão. Tudo regado, juntamente com os cafés, pelo Graham’s Vintage 1983, cortesia da casa.

Assunto muito sério é o serviço de vinhos. Começa logo por uma carta fortíssima, das melhores que já tive o prazer de conhecer no nosso país. Para mim, a avaliação de uma carta de vinhos tem de passar sempre, incontornavelmente, pelo factor preço. Este, para mim, repito, é um factor determinante, que pode definir a linha entre uma grande carta de vinhos e outra apenas boa. E esta é grande, enorme, em todos os aspectos. Organizada por preço, do mais alto ao mais baixo, com as principais referências portuguesas presentes, dos tranquilos aos fortificados, mas também com uma colecção notável de vinhos velhos e espumantes. Uma carta pensada para agradar todos, dos aficionados aos consumidores de ocasião, dos bebedores de rótulos aos wine freaks, aqui toda a gente se sente confortável para beber vinho. Mesmo aqueles rezingões, que se recusam a gastar dinheiro em vinho na restauração, vacilam quando se deparam com um Luís Pato Vinhas Velhas Branco a menos de 10€. O serviço acompanha a excelência da carta, seja nas temperaturas, impecáveis, seja nos copos e decantadores, e se fomos chatos nesse capítulo, seja na qualificação do pessoal de sala. Um luxo.

Definitivamente um lugar de referência para comer na Bairrada, que não conhecia, e que teve entrada directa para a minha lista de favoritos. Se a gastronomia que oferecem não fosse tão boa, só pelo serviço de vinhos merecia uma visita, assim, é dois em um.

Rei dos Leitões
Avenida da Restauração 17, Mealhada
Tel: 231 202 093 / 968 123 084
Email: [email protected]
Fecha à quarta-feira.
Preço médio sem vinho, 20€.

6 Comments

  • q diz:

    Parabéns pelo texto.
    Mui acima do habitual neste assunto.

  • ARMÉNIO DUARTE diz:

    O texto e o preço médio não condizem com a minha experiência de anteontem:
    3 pessoas, poucas entradas, leitão, 10 € de vinho, 1 e só uma salada de fruta = € 82,20. Com 2 cafés e 1 filhós que seriam oferta da casa.

    • Jorge Nunes diz:

      Caro Arménio,

      Agradeço o comentário e lamento que o texto não tenha correspondido às expectativas do restaurante.
      Não visito o restaurante há algum tempo e é provável que tenha havido alguma alteração nos preços, mas ainda assim verifico, pelo preço que indica, que a diferença não é assim tão grande do preço referido no artigo.

      Cumprimentos,
      Jorge

  • ARMÉNIO DUARTE diz:

    A diferença está nos preços e não só. Há 2 anos, um verdadeiro banquete para 10 pessoas custou- me 190 €.
    Até me pareceu que a gerência mudou. O estilo requintado mas sóbrio perdeu a naturalidade que nos fascinava.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *