Taberna Ó Balcão (Santarém)

Já aqui falei por várias vezes no trabalho de Rodrigo Castelo, seja na sua aventura no Mercado de Algés, seja na incursão ao Portugal de Norte a Sul de Fátima Moura, que levou a gastronomia do Ribatejo ao Terraço do Hotel Tivoli, em Lisboa. Mas faltava o essencial, dar conta do lugar onde tudo começou, a casa-mãe Taberna Ó Balcão, no centro de Santarém.

DSC_0055

DSC_0075

E que falta fazia ao distrito de Santarém um restaurante de autor, que pegando nos produtos mais tradicionais da região, pratica uma cozinha moderna mas cheia de memórias. A recuperação de ingredientes locais, pouco vistos neste tipo de cozinha mais sofisticada, como a camarinha por exemplo – um pequeno camarão de rio habitualmente utilizado pelos pescadores do Tejo como isco – tem sido uma imagem de marca de Rodrigo Castelo que tem contribuído para colocar a cozinha do Ribatejo no mapa gastronómico nacional. Aqui temos um excelente exemplo de como a moderna cozinha de autor pode assentar em sabores típicos e dessa forma tornar-se um dínamo para a redescoberta da gastronomia de uma região.

DSC_0066

DSC_0067

Esta Taberna Ó Balcão, cujo nome brinca com o sotaque ribatejano (ao/ó), está localizada numa das principais ruas de Santarém e é muito facil de encontrar, mesmo para quem vem de fora e não conhece a cidade. Um espaço acolhedor, decorado com muito gosto, cheio de apontamentos vintage que nos transportam para casa da avó.

DSC_0062

DSC_0063

Nestes últimos tempos fiz duas refeição neste Balcão. A primeira, excelente, há uns meses atrás, ocasião em que contactei pela primeira vez com a cozinha de Rodrigo Castelo tendo ficado imediatamente rendido (infelizmente perdi o rasto destas fotos). A segunda, recentemente, no âmbito de uma apropriada #provados7 à volta dos vinhos do Ribatejo, onde foi possível provar alguns clássicos do restaurante mas também algumas inovações da nova carta.

DSC_0027

Camarinha Frita com Cebolada de Pimentos Vermelhos. Uma novidade que tivemos oportunidade de conhecer quase em primeira mão. É possível que o prato ainda venha a ter algumas afinações mas achei que a combinação do sabor e textura do camarão com a cebola e o ovo resultam muito bem. Uma entrada de alma ribatejana para a nova carta do Balcão.

DSC_0028

Aqui temos a mesma formula do prato anterior mas na versão pimentos padron.

DSC_0030

A Camarinha. O camarão pequeno que os pescadores do Tejo utilizam como isco e que Rodrigo Castelo recuperou para a cozinha do seu restaurante. Aqui apareceram simplesmente cozidas e mais que um prato foi uma forma de contactarmos com o produto no seu estado mais puro.

DSC_0034

Depois chegou um Arroz de Caranguejo do Tejo em duas versões, com coentros e com hortelã. De lamber. Os beiços e os dedos. A base para o arroz leva Maçã de Alcobaça e Manga, criando uma textura frutada que em contraste com o sabor característico dos caranguejos e o lado fresco conferido pelas ervas criam um prato delicioso, de comer e chorar por mais. Fui contra-corrente e preferi o de coentros, achei menos impositivo que a hortelã, apesar de ambas as versões resultarem muito bem.

DSC_0037

Passarinhos fritos com Sweet-Chili. Outro prato de comer de joelhos. Um piscar de olho oriental a um prato clássico da nossa gastronomia onde o molho de peixe dá o apuro final.

DSC_0040

Seguia o recital, agora com um prato que trazia os aromas do mar. O Arroz de Lingueirão, com os ditos a chegarem frescos da Foz do Arelho e a darem forma a um conjunto onde o saboroso molho espesso não tirava carácter ao bivalve. A virtude do equilíbrio.

Sem foto, provaram-se ainda um conjunto de outros pratos que nos permitiram apreciar na plenitude a diversidade da cozinha de Rodrigo Castelo nesta Taberna Ó Balcão. Os Croquetes de Rabo de Boi com Mostarda Matizada, o Coelho de Escabeche e a Lombeta com Trilogia de Batata Doce, são já pratos clássicos que têm sempre lugar reservado na carta.

DSC_0042

DSC_0043

Ao encontro de todos estes sabores iam desfilando um conjunto de vinhos do Tejo que nos foram mostrando, também nesta vertente, o que a região tem para oferecer. E pessoalmente cruzei-me com duas grandes surpresas, o Quinta do Alqueve Touriga Nacional 2005 e o Fiuza Reserva 1996, dois vinhos que gostei francamente e que estão numa excelente fase de vida.

DSC_0047

Das sobremesas retive a foto e pouco mais. A refeição ia longa, a conversa divertida e a vontade de tomar notas era cada vez menor. Ficou na ideia um Arrepiado com Gelado de Figo e Marmelo Bebado.

Além do apuro das preparações, a Taberna Ó Balcão saúda-nos com um serviço simpático e eficiente e preços muito cordatos. A oferta vínica assenta essencialmente nos nectares da região, o serviço é bom, também a copo, mas penso que existe espaço para melhorar a carta.
Penso que esta publicação demonstra bem a razão do meu entusiasmo pela cozinha de Rodrigo Castelo, é que não são muitos os restaurantes que me levam a fazer 150 km num dia de semana para jantar e regressar noite dentro com um sorriso nos lábios.

Taberna Ó Balcão
Rua Pedro de Santarém 73, Santarém
Tel: 243 055 883
Email: [email protected]
Fecha aos Domingos
Preço médio sem vinho: 20€ (menos se em modo petisco)

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *