The Walnut (Edimburgo, Escócia)

Bom pão artesanal.

Sopa de peixe com rouille.

Salada de salmão fumado e mexilhão, beterraba, funcho e rábano.

Vieiras de Loch Fyne, caponata e parmesão.

A opção vegetariana. Guisado de grão e beringela, malaguetas marinadas e queijo de cabra.

Estufado de peixe e marisco, batatas com açafrão, azeitonas pretas e harissa.

Veado assado, repolho trufado, puré de aipo-rábano e batata fondant (muito bom).

Pescada, batata e tarte de queijo.

Bebeu-se vinho português, trazido do aeroporto de Lisboa, para partilhar com os nossos anfitriões escoceses.

Fiquei surpreendido com o numero de restaurantes em Edimburgo que convidavam ao BYOB. De forma explícita, muitos deles com cartazes na própria montra. E pelo que consegui perceber foi uma tendência que veio para ficar. Parece que por estes dias existem cada vez mais escoceses, mesmo de faixas etárias mais jovens, a consumir vinho às refeições (principalmente aos jantares). Tornou-se por isso uma forma dos restaurantes atrairem clientes que gostam de levar as suas próprias garrafas de vinho para partilhar com os amigos. Uma total surpresa para mim, encontrar esta cultura de vinho num país não produtor, onde a cerveja é a bebida nacional (a par do whiskey). Um exemplo que gostaria de ver mais vezes replicado em Portugal.

Mas esta introdução serve para falar do The Walnut, um simpático e confortável restaurante (estilo bistrot) no início da cada vez mais gentrificada Leith Walk, a meio caminho entre o bairro de Leith e a Old Town. Apesar dos muitos comércios e serviços, esta é uma zona maioritariamente residencial, onde não se vêm muitos turistas e por isso jantar nestes lugares acaba por proporcionar uma experiência diferente.

O conceito é muito simples, menu de dois ou três pratos (20/25 libras) a escolher por entre um conjunto de receitas britânicas com um twist mediterranico, muito bem confeccionadas. A comida é óptima, a simpatia da proprietária também e o ambiente descontraído dispõe muito bem.

Este é daqueles lugares que ficam na memória e que nos apetece ter próximo de casa para lá ir mais vezes. Muito recomendável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *