Vinhos no Feminino #TWA

Vinhos no Feminino foram o mote para o 2º encontro da comunidade TWA do Facebook. O objectivo era provar, às cegas, vinhos portugueses produzidos por enólogas e tentar perceber até que ponto a delicada mão feminina se faria sentir nesses vinhos.

O local escolhido foi a Pousada de Palmela, inserida no histórico Castelo, com uma invejável vista sobre a Serra da Arrábida e a Vila de Palmela. O interior está muito bem recuperado e decorado, criando um ambiente conventual e medieval muito bonito. Excelente cartão de visita.

A prova decorreu no restaurante da Pousada, que está inserido no local dos antigos claustros do convento a partir do qual a Pousada foi integrada.

A prova, com todos os vinhos provados às cegas, conteve cinco brancos e dez tintos. A regra dos Vinhos no Feminino não foi cumprida à risca e apareceram alguns intrusos masculinos que foram inseridos na prova. De registar que não havia qualquer restrição sobre os vinhos que cada participante trazia. Podia até ter acontecido repetições ou todos da mesma enóloga.

Após recolhidas as notas de prova e terem sido retiradas a nota mais alta e mais baixa de cada vinho, os vinhos que mais convenceram os provadores foram:

Tintos

1º Terras de Tavares Reserva 2006 (João Tavares de Pina)

1º Quinta da Bacalhôa 2006 (Filipa Tomaz da Costa)

3º Rol de Coisas Antigas 2008 (Carlos Campolargo)

Brancos

1º Pynga Selection 2010 (Pedro Marques)

2º Cova da Ursa 2010 (Filipa Tomaz da Costa)

3º Conceito Sauvignon Blanc 2010 (Rita Marques)

Curioso o empate técnico entre o Bacalhôa 2006 (nota pessoal 16.5) e o Terras de Tavares Reserva 2006 (nota pessoal 17), os dois tintos preferidos.
Nos brancos, o Pynga Selection 2010 (nota pessoal 16.5), do Vale da Capucha, foi o vencedor e a grande surpresa do dia. Um vinho que não conhecia e que me deu imenso prazer.
No lado inverso, a grande desilusão, foi o Pintas Character 2008 (nota pessoal 15.5), um vinho que se esperava muito mais e que acabou perdido na segunda metade do painel. Uma palavra também para o excelente Rol de Coisas Antigas 2008 (nota pessoal 17), um belo tinto da Bairrada, que não só deu boa prova, como depois acabou por acompanhar muito bem o almoço.

Acabada a prova, havia que confortar o estômago. Começou-se com um tradicional caldo verde, depois um lombo de porco com puré de batata e para sobremesa, uma torta de laranja com doce de ovo e pêra bêbeda em moscatel. Uma refeição sem grande história, tudo correcto sem deslumbrar. Destaque-se a sobremesa, muito bem conseguida.

Extra concurso, alguém em boa hora, se lembrou de convidar esta beldade. Um Moscatel Roxo da José Maria da Fonseca, sem data, que fez as alegrias de todos e fechou com chave de ouro uma excelente jornada de convívio.
Antes das despedidas finais, parte do grupo ainda se deslocou ao centro de Palmela, para uma visita à Casa Mãe da Rota dos Vinhos.
Uma palavra de apreço pelo dinamismo que o grupo TWA tem demonstrado e parabéns para os responsáveis pela organização da prova.
Que venha a próxima e que seja tão boa como esta.

3 Comments

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *