Château Cheval Blanc (Saint-Émilion, Bordéus)

DSC_0164

DSC_0072

DSC_0081

DSC_0088

DSC_0091

DSC_0092

DSC_0098

DSC_0100

DSC_0102

DSC_0105

DSC_0106

DSC_0110

DSC_0113

DSC_0115

DSC_0117

DSC_0119

DSC_0120

DSC_0127

DSC_0132

DSC_0133

DSC_0135

DSC_0137

DSC_0139

DSC_0140

DSC_0143

DSC_0144

DSC_0160

DSC_0167

DSC_0146

DSC_0095

Não me lembro de um post onde tivesse tão pouca necessidade de escrever. E nem vou pelo lugar comum que as imagens valem mil palavras.
Visitar o Chateau Cheval Blanc, um dos bastiões do exclusivo e restrito mundo dos grandes vinhos de Bordéus, é um momento que não necessita de palavras, tudo anda à volta de sentimentos. A emoção de pisar um chão lendário, que desde 1834 oferece ao mundo a arte de cruzar a Merlot com a Cabernet Franc. O terroir único da terra que une Saint Emilion a Pomerol e que em 1954 obtém a classificação de Premier Grand Cru CLassé «A», o estatuto maior nos vinhos de Bordéus. Entrar naquela adega faz-nos suspirar quando pensamos nas colheitas míticas que por ali passaram. Harmonia e equilíbrio são as palavras mais ouvidas quando se referem aos seus vinhos, que hoje atingem valores exorbitantes, reforçando a sua aura de misticismo e exclusividade em todo o mundo. Como os próprios dizem, “Cheval Blanc é um parêntese encantado nesta terra de harmonia”.

Pelo momento mágico que foi vivido naquela manhã de Março resta-me agradecer à Peggy Garcia, a relações públicas de Cheval Blanc, que nos recebeu com uma alegria contagiante e, claro, aos meus companheiros de viagem por esta inesquecível winetrip.

P.S. – Ah, o vinho, quase me esquecia. Era o Cheval Blanc de 2006 e estava muito bom.

Chateau Cheval Blanc
Saint-Émilion 33330, Bordéus, França

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>